ENTRE EM CONTATO

  Rua Monte Alegre, 984 - São Paulo, SP - Brasil

  • LinkedIn
  • Facebook
  • Instagram

O espaço do vinho brasileiro no mercado internacional

Por Vitória Godoy  10/11/2018

  • O crescimento significativo do mercado de vinhos brasileiros;

  • Destaque de produção nacional para a região gaúcha do país;

  • A Itália é o país que mais produz, a Espanha o que mais vende e os Estados Unidos os que mais bebem;

  • A oportunidade de expansão do negócio para empresários brasileiros.

     O mercado de vinhos sempre foi, no geral, muito requisitado. Uma bebida que é de certa forma básica, feita a partir da fermentação dos mais diversos tipos de uva e que engloba todos os gostos e bolsos, desde os mais caros até aqueles na faixa de 20 reais, conquistou o paladar e a mesa de milhares. Assim, o vinho ganhou notoriedade, e aquele produzido no Brasil tem conquistado cada vez mais reconhecimento internacional por conta de sua qualidade e singularidade.

     No Brasil, o vinho foi introduzido com a colonização do país. Atualmente, depois de muitos anos, a bebida já possui uma produção consolidada com o destaque para Rio Grande do Sul, que é o maior exportador da bebida, enquanto o Estado de São Paulo é o maior importador e consumidor, de acordo com o DataViva. Dados divulgados pela Wine Inteligence's Brazil Landcapes 2017 mostram que o mercado de consumidores no Brasil foi de 22 milhões para 30, demonstrando um aumento bem notável e considerável para o setor.

     O Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), que acompanha o desenvolvimento do setor todos os anos, publicou um estudo no qual constata que as exportações de vinho brasileiros cresceram 44% em valor no primeiro trimestre de 2018. Apenas entre os três primeiros meses do ano foram comercializados mais de 1 milhão de dólares, com um total de 553.210 litros exportados.

     Esses números representam uma alta de 44,3% em valor comercializado e de 48,7% em volume na comparação com entre janeiro e março de 2017. Dessa forma, o Brasil se estabeleceu como o quinto maior produtor da bebida no Hemisfério Sul, mas, além disso, um dos mercados que mais cresce.

     Os principais mercados para o qual foram exportados vinhos brasileiros são o Paraguai, Chile, Estados Unidos, Cingapura e Reino Unido, além de outros 26 destinos. Segundo Dirceu Stottá, presidente da Ibravin, o Brasil demonstra-se com um futuro promissor - "Estamos exportando para países bastante concorridos no mercado internacional, que recebem vinhos do mundo todo e estamos, aos poucos, ampliando nosso espaço". Grande parte do crescimento e desenvolvimento do mercado está ligado ao projeto Wines of Brasil - uma parceria entre o Instituto Brasileiro do Vinho e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) - 90% do vinho nacional exportado é proveniente de empresas que fazem parte do projeto.

     Internacionalmente, de acordo com um estudo realizado pela OIV (Organização Internacional da Vinha e do Vinho) os países do continente europeu se destacam, no que se refere ao quesito de exportação. Espanha, Itália e França exportam juntos mais da metade de todo vinho consumido no mundo. No que se refere a consumo per capita, Portugal lidera o ranking, com um consumo de 54 litros por ano por habitante. No consumo geral da bebida, os Estados Unidos é o primeiro colocado com 3,11 bilhões de litros por ano. Assim, pelo mundo, a Itália é o país que mais produz, a Espanha o que mais vende e os Estados Unidos os que mais bebem.

     Tanto o mercado interno brasileiro quanto o mercado internacional estão abertos para a maior inclusão e crescimento de vinhos provenientes do país tropical. À vista disso, o empresário brasileiro possui em setor com diversas possibilidades de investimento. Mas, apesar da grande possibilidade da expansão do mercado de vinhos brasileiros, é sempre importante a necessidade do auxílio do trabalho de uma consultoria para que as decisões tomadas sejam as melhores.

     O mercado não está estagnado e possui grande aceitação dos produtos nacionais, mas é preciso analisar os países já mais consolidados no ramo, nisto está presente a indispensabilidade da consultoria. O momento para se pensar em exportar vinhos é agora, a bebida nacional possui grandes chances de conquistar ainda mais consumidores por todo o globo.

 

Fontes:

Acessado em 05/12/2018

https://bit.ly/2L7NYls

https://bit.ly/2EqS9YQ

https://glo.bo/2PsC0TP

https://bit.ly/2zTx99z

https://abr.ai/2EbXbYp