Cosméticos Genderless: menos rótulos para mais sucesso

Por Mariah Piero, 27/05/2020

  • Destaque no ramo de cosméticos;

  • Maior inclusão e alcance de mercado;

  • Novidade no mercado nacional;

  • Ascenção no comércio internacional;

  

     A expressão “genderless”, ou em português, “sem gênero”, vem tomando cada vez mais espaço nos setores do comércio, caracterizando produtos que não utilizam gênero na escolha de seu público alvo. Essa tendência chega para revolucionar o mercado, não só no ramo de cosméticos, tendo grande aceitação pelas gerações atuais. Mesmo que algumas categorias dentro dos produtos de higiene e cuidados já sejam na maioria das vezes “unissex”, é perceptível a diferença quanto a propaganda de produtos para a pele e maquiagens, que usualmente tem na sua campanha o público alvo feminino, como as fragrâncias, que em sua maior parte são vendidas separadamente para gêneros definidos através do marketing do produto. 

 

    O Brasil é um dos grandes no mercado de cosméticos, ocupando em 2018 o quarto lugar dentro do mercado internacional. Segundo relatórios da ABIHPEC (Associação Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos), no primeiro bimestre de 2019 as exportações deste setor do país chegaram ao valor de US$87,3 milhões, enquanto a corrente de comércio dos meses janeiro a fevereiro do mesmo ano atingiram US$202,4 milhões. Ainda com base no relatório da ABIHPEC, no período de janeiro a fevereiro de 2018 o ranking de exportadores de cosméticos do Brasil era composto por Argentina, Colômbia, México, Paraguai e Peru, respectivamente, tendo a Argentina responsável por US$30,7 milhões no ano em questão. Os produtos de categoria “sem gênero” ainda são uma novidade o mercado brasileiro, mas aparentam ter bastante acolhimento dentro do mercado estadunidense - onde diversas marcas genderless tem seu berço. Um exemplo é a marca brasileira Simple Organic, que além de ser uma marca vegana, se posiciona abertamente quanto os seus produtos serem para “quem quiser usar”. A marca já ganhou alguns prêmios, incluindo o prêmio norte-americano Indie Beauty Expo como melhor loção hidratante, em Nova Iorque. 

 

     Entretanto ao tratarmos de produtos genderless, é importante também reconhecermos o mercado de cosméticos destinados ao público masculino, o qual de acordo com a Apex-Brasil, terá uma taxa de crescimento entre os anos 2016 e 2021 de 24,7% na região da América latina. Segundo dados do Sebrae, representando 23% das vendas mundiais em 2017, a América Latina ocupa o segundo lugar quanto ao mercado de produtos de beleza e higiene masculina no mundo, sendo que no Brasil, também em 2017, as vendas para o público masculino atingiram R$19,7 bilhões, e a previsão é de um crescimento de 62% desse valor até o ano de 2022. A questão é que o movimento genderless e sua adesão por parte das marcas parece influenciar diretamente na compra de cosméticos por parte do público masculino. Segundo o site britânico FutureThinking, com base em uma pesquisa realizada e publicada por eles, entre homens de 18 a 24 anos, 41% deles estariam interessados a adotar rotinas e obter produtos de cuidados corporais e faciais se o marketing do produto for neutro quanto ao gênero.

  

      Já tivemos muitas marcas renomadas lançando cosméticos de categoria genderless, dentre elas Calvin Klein, Louis Vuitton, e até mesmo brasileiras, como O Boticário e Natura. Um movimento que vem crescendo cada vez mais e recebendo mais apoio, que está se consolidando no Brasil com novas marcas nacionais aderindo ao próprio, como citado anteriormente, enquanto já está mais avançado no mercado internacional, sendo uma ótima oportunidade de investimento para exportação. Além de ser uma característica de destaque da marca dentro de um mercado que está passando por essa transição, os cosméticos “sem gênero”  possuem um público alvo maior, uma causa a apoiar, um alcance maior e muito espaço para desenvolvimento dentro do setor comercial. 

 

     O mercado genderless é um mercado atual, inovador e com diversas vertentes dentro da área de cosméticos. Para investimentos de menores riscos e maior sucesso,  o processo de internacionalização de uma marca e da exportação de seus produtos deve ser feito cautelosamente. É necessário uma análise detalhada do mercado para um direcionamento mais sensato, através da consultoria internacional, que também ajudará nas barreiras tarifárias e burocracias encontradas no caminho, criando um planejamento estratégico personalizado e de grandes resultados para o produto em questão. 

Fontes

https://bit.ly/2D9VJHP 

https://bit.ly/3fbK48w 

https://bit.ly/3jVCN06 

https://bit.ly/3hSSi7d 

https://bit.ly/2BLzSpu 

https://bit.ly/3176P8v 

https://bit.ly/3gjt4P5

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

   

ENTRE EM CONTATO

  Rua Monte Alegre, 984 - São Paulo, SP - Brasil

  • LinkedIn
  • Facebook
  • Instagram