Cópia de Cópia de Site - imagens dos textos (1).png

Cosméticos cruelty-free: uma aposta para o sucesso sem crueldade

      Os cosméticos cruelty-free ou “livres de crueldade” referem-se a produtos que, na sua formulação e projeto, não fazem testes em animais. Esses cosméticos são parte de um mercado que só tende a crescer ao longo dos anos, já que, segundo a SEBRAE, uma das tendências do mercado de 2021 é a procura de produtos de forma mais consciente. Assim, esses cosméticos são uma grande aposta por serem um mercado promissor.

 

Um mercado extremamente promissor

 

      Já que abrangem diversos segmentos como cuidados com o cabelo, pele e maquiagem, estes produtos possuem amplo mercado e procura, tendo uma enorme perspectiva de crescimento. Segundo o site Research and Markets, esse mercado chegou a valer cerca de 13,97 bilhões de dólares em 2020 e tem a perspectiva de chegar a 21,67 bilhões de dólares em 2026, já que possui taxa de crescimento de 7,58% ao ano. Dessa forma, é evidente o quanto os cosméticos cruelty-free são uma grande aposta.

 

Expandindo cada vez mais com a busca por um consumo consciente

 

       Além disso, estes tipos de produto vêm recebendo grande atenção com a busca por produtos mais bem pensados em suas composições e desenvolvimento. Isso pode ser verificado com a recente e imensa repercussão do vídeo “Salve o Ralph” pela The Humane Society of the United States, o qual sofreu muitos compartilhamentos e reações de comoção com a causa de acabar com o teste em animais na indústria. Com isso, muitos indivíduos começaram a pesquisar sobre o assunto e preferir marcas que tivessem o selo cruelty-free. 

 

 Diferencia-se positivamente diante de muitos produtos no mercado atual

 

       Logo, a procura por cosméticos cruelty-free cresceu muito, levando a diversas publicações de marcas que possuem esse selo ou repúdio a outras que fazem testes em animais. Devido a isso, muitas marcas já existentes buscaram conseguir o selo PETA (Pessoas para o Tratamento Ético de Animais), que certifica que a marca não faz testes em animais, como a TRESemmé, além de marcas nacionais que já têm esses selos, como a Salon Line, Sallve, Vizzela, entre outros. Assim, observando essa busca pelo certificado cruelty-free e novas marcas já aderindo essa questão, nota-se como o mercado vem prezando por essa característica, já que trata-se de uma nova exigência por parte dos consumidores.

      Em conclusão, o mercado dos cosméticos cruelty-free tem grande espaço para crescer nos próximos anos, já que possuem um público comprometido com a causa, envolvendo não só produtos, mas sim um estilo de vida mais sustentável. Dessa forma, sua internacionalização possui um futuro promissor e, com o devido suporte de uma consultoria, o investimento na exportação desses produtos pode ter muito sucesso.

 

Por Larissa Aramaki Tanaka em 17/09/2021

Fontes:

https://bit.ly/3rD8IIB

https://bit.ly/3gzUBxp

https://bit.ly/3B7urLQ

https://bit.ly/3oBXToe

https://bit.ly/34rDxXO