Site - imagens dos textos.png

Cobre: um potencial brasileiro em ascensão

        O minério de cobre está presente nas mãos da humanidade desde o ano de 8000 antes de Cristo. No Brasil, os indígenas também já faziam uso do cobre para criar ferramentas como machadinhos, pois o metal existia em estado natural nos basaltos da Bacia do Paraná. Apesar de já ser muito valioso no passado, a importância e valor desse minério cresceu exponencialmente nas últimas décadas, especialmente com os recentes avanços na tecnologia, que começou a exigir cobre como um dos materiais fundamentais na construção de circuitos eletrônicos. Hoje em dia, o mercado do cobre é altamente lucrativo, e o Brasil tem um alto potencial para ter sucesso nele. Com ações como o Projeto Salobo da Companhia Vale do Rio Doce, o cenário do cobre brasileiro está se mostrando vantajoso.

O cobre está em ascensão nas exportações do Brasil, estando nas top 20 NCMs mais lucrativas

         Usado na construção de variados eletrônicos, fios de cobre, canos e muitas outras aplicações, o cobre está entre as top 20 NCMs mais lucrativas do Brasil no ano de 2021, tendo faturado cerca de 1,5 bilhões de dólares entre os meses de Janeiro e Setembro, como afirmado pelo site ComexStat. Além disso, o mercado brasileiro tem mostrado um aumento na exportação de cobre, como no ano de 2017, por exemplo, em que a exportação do minério cresceu 11%, ultrapassando a marca de 1 milhão de toneladas exportadas, de acordo com a NMB.

Mercado asiático importa altas quantidades do minério

         Olhando além do Brasil, é possível avistar muitos mercados internacionais que se mostram grandes importadores do produto, sendo ideais para uma internacionalização do cobre. De acordo com o Observatory of Economic Complexity, os maiores compradores do metal estão na Ásia, com os três maiores importadores da região sendo a China, o Japão e a Coreia do Sul, que combinados importam um total de 43 bilhões de dólares do produto em questão. Isso se dá pois esses países são gigantes na cena de exportação de eletrônicos, e para sustentar essa posição, é necessária uma quantidade grande de cobre para a produção dos sistemas e circuitos. Mas além da Ásia, outros países promissores para receber cobre são a Bulgária e a Alemanha, que importam 1,97 bilhões e 1,84 bilhões de dólares do material respectivamente.

Mercado interno e produção do cobre brasileira estão expandindo

       Em suma, o cobre é um material cujas características de alta condutividade, resistência ao calor, resistência à bactérias e oxidações, etc. tornam-o fundamental na construção de eletrônicos ou equipamentos como relógios e canos. Os mercados principais para onde esse produto pode ser exportado são os três produtores de tecnologia asiáticos citados previamente. Porém, é necessária uma melhor pesquisa e perspectiva do mercado global para definir a estratégia necessária para internacionalizar o minério. Felizmente, serviços como análises e identificações de mercado, ambos serviços oferecidos pela Prisma, podem dar uma ajuda muito efetiva nessas tarefas.

Por: Henrique Rodrigues Padovese em 17/09/2021

Fontes:

https://bit.ly/3rEY4kk

https://bit.ly/3rHqgDc

https://bit.ly/3v2cOvs

https://bit.ly/3v0c4ai

https://bit.ly/3xGFjk3

https://bit.ly/3v2b0CD

https://bit.ly/3v0VxTx

https://bit.ly/3v5Jqol

http://glo.bo/3rKrBZT