Citricultura brasileira: referência no mercado internacional

Por Julia Zahary 14/05/2020

  • Brasil é o maior exportador de suco de laranja;

  • produtos selecionados de alta qualidade;

  • acentuado crescimento anual; 

  • histórico e regiões produtoras;

  • mercado consolidado e em expansão.

     

      Introduzida no Brasil logo no início da colonização, a laranja encontrou no país melhores condições para vegetar e se desenvolver do que nas próprias regiões de origem, expandindo-se assim por todo território nacional. Entretanto, atualmente tal produção concentra-se, principalmente, nos pomares do estado de São Paulo, Paraná e Minas Gerais, de modo que estes caracterizam-se por compor o cinturão citrícola responsável por  produzir 85% da safra nacional. 

     

      Diante de tal cenário, o Brasil se consolidou nas últimas décadas como o maior exportador de suco de laranja do mundo e muitos países, como os Estados Unidos  e o Reino Unido, passaram a depender de forma significativa da produção para abastecer supermercados e satisfazer a procura de seus cidadãos. Assim, graças a uma série de problemas internos  que o mercado norte americano sofreu, a exportação nacional teve, em 2018, um crescimento 29% maior que a do ano anterior, segundo dados da Secex (Secretaria de Comércio Exterior),  vendendo só para os Estados Unidos 315,4 mil toneladas de suco de  laranja concentrado, o que representou um crescimento 83% a mais em relação às 172,7 mil toneladas do ano antecessor. 

     

      Essa intensa procura, deve-se, dentre vários fatores, à tendência que o mercado internacional tem apresentado de prezar por produtos selecionados de alta qualidade e mais saudáveis que promovam o bem estar de seus consumidores, requisitos que o Brasil tem atendido de forma rigorosa. Não obstante, vale ressaltar que a venda de 70% da produção brasileira, segundo uma reportagem da BBC que entrevistou inúmeros especialistas, são feitas por meio de caixas de suco, as quais contabilizaram, entre julho de 2018 a fevereiro de 2019, o equivalente a R$ 5 bilhões. 

     

      À vista disso, é possível concluir que com um mercado crescente tanto no âmbito interno quanto externo, a comercialização se torna cada vez mais vantajosa para os produtores e exportadores desta fruta. Haja vista, que apenas nos nove primeiros meses da safra de 2019/2020 foi possível observar um aumento de 18% nas exportações brasileiras em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo a Associação de Exportadores do Brasil. 

     

      Ademais, vale ressaltar que graças à acordos, como o de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia, o qual foi aprovado no fim de julho de 2019, e  o que está sendo estudado entre o Brasil e o Egito, a exportação nacional poderá ter um significativo crescimento tanto por meio de isenções graduais de tarifas, quanto pela inserção dos produtos brasileiros em novos mercados, por exemplo. 

     

      Todavia, para que este cenário possa se tornar uma realidade consolidada e confiável, mostra-se necessário a assistência de um planejamento estratégico e de um estudo de mercado, os quais são trabalhos de uma Consultoria, e que farão com que consequentemente, a exportação de laranjas possa continuar a ser um dos comércios mais rentáveis para a economia brasileira e para seus empresários.

 

Fontes:

https://bbc.in/37mXY5g

https://bit.ly/3e3norq

https://bit.ly/3cY4dxN

https://glo.bo/2AZ2meS

https://bit.ly/30DmBJQ

https://bit.ly/2XV3jgZ

ENTRE EM CONTATO

  Rua Monte Alegre, 984 - São Paulo, SP - Brasil

  • LinkedIn
  • Facebook
  • Instagram