Site - imagens dos textos.png

O acordo de livre comércio Brasil-Chile e suas expectativas

   Está em pauta no plenário da Câmara dos Deputados desta semana do dia 24 de Maio, o acordo de livre comércio entre Brasil e Chile que tem como foco impulsionar os fluxos de comércio, tanto de bens quanto serviços e investimentos entre os dois países. Os brasileiros e os chilenos já possuem um acordo de comércio que está em vigor desde 1996 no qual são eliminadas tarifas de importação para todos os produtos comercializados pelos dois países. Porém, este novo acordo, concebido em 2018, atualiza e traz novas regras para as relações comerciais e de investimentos. Ele já foi aprovado pelo Congresso chileno e agora precisa da aprovação do Congresso brasileiro para se concretizar.

A relação atual entre os dois países

   As trocas comerciais entre os brasileiros e chilenos, atualmente, já são bem sucedidas, sendo o Chile um dos principais parceiros econômicos do Brasil, só perdendo para a vizinha Argentina. Segundo o governo brasileiro, em 2018, o intercâmbio comercial bilateral entre os países alcançou a marca de US$8.3 bilhões. Entre os principais produtos exportados ao Chile pelo Brasil encontram-se óleos brutos de petróleo, carnes, automóveis e tratores. Por outro lado, importamos dos chilenos principalmente derivados de cobre, salmão e vinhos.

Perspectivas positivas para o novo acordo

   De acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), com a adesão do novo acordo de livre comércio, os empresários brasileiros teriam o acesso a um mercado no Chile estimado em US$ 11 bilhões por ano. Além disso, segundo o Ministério das Relações Exteriores do Brasil,  o novo acordo inclui 17 temas de natureza não tarifária, como: comércio de serviços; comércio eletrônico; telecomunicações; medidas sanitárias e fitossanitárias; obstáculos técnicos ao comércio; facilitação de comércio; propriedade intelectual; e micro, pequenas e médias empresas.

A importância do auxílio de uma consultoria internacional

    Diante da situação pandêmica que atravessamos, esse acordo pode ser fundamental para a recuperação econômica pós-pandemia. Para aproveitá-lo, é de extrema importância um planejamento sério e assertivo para não desperdiçar uma boa oportunidade, nem dinheiro. Nesse caso, é essencial uma consultoria internacional, com estudo de mercado e uma estratégia bem definida.

 

Por Guilherme Gomes em 26/05/2021

Fontes:

https://bit.ly/3yD1UMp 

https://reut.rs/2TabpCA 

https://bit.ly/3ww79vG