ENTRE EM CONTATO

  Rua Monte Alegre, 984 - São Paulo, SP - Brasil

  • LinkedIn
  • Facebook
  • Instagram

De cosméticos a shakes, o açaí é bem aceito no exterior

Por Leila Beija Flor 08/02/2019

  • A tendência de consumo do mercado atual e futuro;

  • As vantagens na internacionalização do açaí; 

  • A importância da venda e do consumo de açaí para o desenvolvimento interno;

  • Um mercado saudável em expansão.

     Não é difícil perceber no cotidiano das gerações, principalmente as denominadas Millennial e Z, que a tendência mundial de consumo de alimentos tem mudado radicalmente nos últimos tempos. O crescimento da importância dos digital fitness influencers, por exemplo, é bom indicador para o que algumas fontes de pesquisa de mercado, como o Euromonitor e o portal Apex-Brasil, estão apontando: hoje se dá maior atenção ao que se ingere. Cada vez mais os alimentos saudáveis e funcionais entram na rotina do consumidor. Outro exemplo disso são os fast foods, como McDonald’s, que estão se adaptando a essa “onda de saúde” colocando saladas e sucos em seus cardápios.

     Então por que não aproveitar essa tendência para expandir o mercado consumidor de um produto que já é muito procurado no Brasil? O açaí movimenta dentro das nossas fronteiras uma média de 500 milhões de reais, de acordo com o IBGE, sendo que a extração vegetal que dá origem a iguaria está crescendo ano após ano. Em 2017, também de acordo com o IBGE, foi produzida uma quantidade de 219 toneladas de açaí apenas para a extração. Apesar dos dados impressionantes, apenas 10% de toda a colheita dessa da fruta é exportada. Dos 10% da produção exportados, 70% desse volume tem como destino os EUA,ou seja, 7% de toda produção brasileira. O mercado consumidor estadunidense cresce exponencialmente com a alavancada procura por uma suplementação vitamínica, antioxidante e energética. Marcelo Cesana, criador e proprietário da marca Frooty, afirma que “O açaí caiu no gosto do público por diversas razões. Primeiro, por conta da saúde: pelo fato de ser uma fruta antioxidante e energética, o pessoal do jiu-jitsu e do surfe consome muito. De lá para cá, a categoria cresceu muito e eu acho que o açaí é consumido por ser gostoso mesmo, indo além do valor nutricional”

     Com toda a capacidade produtiva da região Norte, tendo destaque o  Pará, principal área de extração de açaí do mundo, o Brasil demonstra um enorme potencial de crescimento na internacionalização deste produto. Podendo ser exportada, preferencialmente, a pasta que é feita com a fruta, por permitir maior tempo de conservação e facilidade no consumo. Essa pasta, rica em antioxidantes e de  sabor adocicado, já adquiriu adeptos nos cafés europeus e virou moda entre os restaurantes de pratos contemporâneos em Los Angeles, e até mesmo nos países do leste asiático, como China e Japão, segundo a Amazon Flavours.

 

     Além do aumento no número de pessoas que dão preferência ao açaí, na procura por um alimento energético e saudável, cresce também o número de cosméticos que tem o fruto como base na sua formulação. Toda a melhoria nas funções corporais que a superfruta proporciona tem atraído os olhos dos produtores do ramo de beleza ao redor do mundo, como a marca inglesa Lush, que faz seus cremes hidratantes, sabonetes e cosméticos capilares, com bases orgânicas e desenvolveu uma linha com produtos variados que possuem açaí em sua composição.

     Ainda há  mais vantagens, além dessas, na internacionalização do fruto e seus derivados.A coleta e processamento do fruto gera cerca de 25 mil empregos e em torno de 40 milhões de reais em lucro líquido, segundo a pesquisa do SEBRAE, para as comunidades produtoras nos principais Estados do Norte no quesito de produção e venda do que é extraído. Com o crescimento do mercado externo do açaí, a ajuda no desenvolvimento ambiental e econômico para a região Norte tem um grande potencial para aumentar ainda mais sua produção de maneira sustentável.

Fontes:

Acessado em 07/12/2019

https://abr.ai/2GfIjdn

https://bit.ly/2RLhiQo

https://bit.ly/2UsS4rD