ENTRE EM CONTATO

  Rua Monte Alegre, 984 - São Paulo, SP - Brasil

  • LinkedIn
  • Facebook
  • Instagram

Tapioca, do Nordeste para o Mundo

Por Carla Pereira 11/07/2017

  • Mercado de alimentos saudáveis no Brasil;

  • Tendência e relevância da tapioca;

  • Cases de sucesso;

  • Países alvos da internacionalização.

     O mercado de alimentos saudáveis não para de crescer. Mesmo em meio à crise econômica brasileira, esta categoria vem ganhando destaque e tem se firmado como um negócio promissor e favorável. Consumidores ao redor do mundo estão cada vez mais dedicados a procurar soluções saudáveis e melhores, que promovam a qualidade de vida. Desta maneira, a indústria vem sendo incentivada a desenvolver opções mais sadias a seus clientes.

     De acordo com estudos feitos pela agência de pesquisa Euromonitor, o mercado saudável cresceu 98% no Brasil de 2009 a 2014. O setor movimenta cerca de US$ 35 bilhões por ano no país e é considerado o quarto maior mercado do mundo, segundo dados de 2015 do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). Estudos feitos pela mesma agência, comprovaram que 22% da população prefere comprar alimentos naturais e sem conservantes. Na hora da aquisição, nem os preços mais altos (que são características da maioria dos alimentos ‘saudáveis’ presentes nas prateleiras de supermercados) tornam-se um obstáculo para os consumidores que almejam saúde e bem estar - um dos motivos primordiais de este ser considerado um mercado tão promissor e lucrativo.

 

     É nesse contexto que a tapioca se encontra. O alimento, que é original do Norte e Nordeste do país, vem estendendo suas fronteiras e caiu no gosto do brasileiro do Centro-Oeste, Sudeste e Sul. De alimento regional, passou a ser encontrado em diversos restaurantes, padarias, hotéis, fazendo com quem as fronteiras nacionais não fossem as únicas a serem ultrapassadas pela tapioca, ganhando destaque no mundo afora.

     A tapioca é um alimento natural com baixo teor de sódio, sem gordura, rico em carboidratos de fácil digestão e sem glúten, por isso virou um item estimado para os adeptos a alimentação saudável. A tapioca vai bem com doce, salgado e leva o recheio que o consumidor quiser, satisfazendo diversos gostos.

     Tanta relevância vem despertando o interesse de empreendedores que estão de olho em um mercado promissor. É possível destacar diversos casos de sucesso envolvendo a tapioca, como a Casa Maní, empresa do interior de São Paulo que atua no ramo há mais de 40 anos, mas percebeu uma mudança no consumo do alimento entre as diferentes regiões do país e investiu cerca de R$10 milhões na expansão de sua fábrica. Segundo a Revista Online Pequenas Empresas e Grandes Negócios (PEGN), isso despertou o interesse no mercado estrangeiro e atualmente a marca exporta massa de tapioca para sete países e pretende ampliar ainda mais sua capacidade.

           A jovem empreendedora Mariana Pitanga também percebeu o sucesso do alimento e iniciou o projeto da Tapiocaria, levando a tendência do produtopara a Alemanha. Em entrevista para TV PEGN, em 2015, ela conta que teve a ideia quando estava visitando uma feira de comidas estrangeiras em Berlim e decidiu participar levando como produto alvo a tapioca. O projeto deu certo e hoje já existem planos para levar o restaurante a outros países.

           Os destinos mais procurados para o investimento desse mercado têm sido os mais variados, com destaque para Canadá, Estados Unidos, Alemanha, França, Inglaterra, Japão, Nova Zelândia e até mesmo a Coréia do Sul. De acordo com Antonia Fadel, diretora geral da Casa Mani, o principal mercado da indústria são os Estados Unidos, mas a empresa já participou de feiras em Cuba, workshop de agricultura na Costa Rica, um congresso sobre mandioca na China e estão prospectando uma “missão comercial” à Colômbia e ao Panamá. Além disso, Fadel demonstra um grande interesse no mercado árabe, pois segundo ele, em entrevista concedida à Agência Nacional Brasil-Árabe, em 2016, “o mercado árabe [...]  tem muito dinheiro. Enxergo a oportunidade de colocar o nosso produto na culinária árabe”.

           A aceitação internacional em relação ao mercado de alimentos saudáveis é muito positiva, pois essa é uma categoria em ascensão por todo o mundo. A inserção da tapioca nesse contexto não poderia ser diferente. O produto chama atenção por ser diferente e ao mesmo tempo versátil aos mais diversos gostos e cultura.

           Levar esse mercado para além das fronteiras brasileiras é interessante, porque, além de divulgar a culinária brasileira, tem altas chances de sucesso. O produto em si não é uma novidade, mas a forma com a qual tem sido tratado é. Com bela apresentação e diversos sabores, a tapioca faz parte de um nicho em desenvolvimento, com concorrência reduzida no exterior. Com grandes chances de cair no gosto do consumidor estrangeiro, são uma boa aposta do mercado saudável.