ENTRE EM CONTATO

  Rua Monte Alegre, 984 - São Paulo, SP - Brasil

  • LinkedIn
  • Facebook
  • Instagram

A força do mercado de Cosméticos para cabelos

Por Eduarda Dworakowski 10/05/2017

  • Introdução ao mercado brasileiro de cosméticos;

  • Panorama do Mercado de Cosméticos de cabelos;

  • Casos de Sucesso  de Internacionalização de Empresas Brasileiras.

  • Conclusão e Tendências do Mercado

     Em meio ao cenário de crise, o setor de cosméticos no Brasil vem mostrando potencial de crescimento, adaptando-se à crise e evitando-a. Atualmente, o país detém a quarta colocação de maior consumo neste setor, de acordo com o SPC Brasil, Serviço de Proteção ao Crédito. Hoje em dia, são mais de 2.600 empresas brasileiras regulamentadas pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), sendo 20 delas de grande porte, representando 75% do faturamento líquido do setor, de acordo com a ABIHPEC (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos). Dentre o vasto setor de cosméticos, destaca-se a área voltada para os cabelos, ocupando o Brasil a terceira colocação dentre os países que mais consomem esses produtos,  segundo dados da Euromonitor, empresa responsável pela pesquisa de estratégias de mercado,  voltada para os consumidores.

   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

     O Brasil sofreu com uma crise hídrica em 2014, tendo sua capacidade produtiva significativamente afetada pela falta de água, dificultando no processo de produção do mercado de cosméticos e ocasionando uma ligeira queda de sua produção, porém, desde a superação dessa crise, o mercado voltou a crescer, cada vez mais. Espera-se uma expansão  ainda maior no setor, com um crescimento constante de 3% na Taxa Anual de Crescimento até 2020, tomando como base o ano de 2015, segundo levantamento feito pela Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos. Segundo pesquisas, brasileiros gastam o equivalente a aproximadamente R$806 por ano em produtos para cabelo, valor que aproxima-se, inclusive, com os gastos em cosméticos para cabelos pelos Estados Unidos e a do Reino Unido. 

     O mercado global de cosméticos voltados para cabelos se mostra crescente. No nível internacional, seu protagonista são os Estados Unidos, país que concentra as maiores empresas no setor e reúne mais de 60% da arrecadação mundial do ramo,  segundo dados fornecidos pela Euromonitor. Nesse sentido, apresenta-se receptivo pela quantidade de consumidores, mas também árido em razão ao tamanho da concorrência.

     Em relação ao Brasil, a indústria nacional desenvolveu, por meio da empresa Beautycare, um projeto de internacionalização de empresas do mercado de cosméticos. Tendo um total de 97 países do mundo como destino e reunindo, em 2015,  70 empresas participantes do projeto desenvolvido, o programa, até 2015, enviou ao exterior um valor correspondente a 22,7% do total das exportações da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos. As empresas brasileiras, cada vez mais dedicadas ao mercado de cabelos, detém a maior fatia de participação neste projeto de internacionalização do setor de cosméticos brasileiros.

     Dentre as empresas brasileiras de beleza, destaca-se como líder a Natura, com cosméticos não só voltados para os cabelos. Apesar da amplitude de sua projeção, sua internacionalização, iniciada em 1982, no Chile, ocorreu de modo desastroso, demorando anos para adaptar-se ao mercado chileno, onde estabeleceu-se apenas em 2008.

     Assim como outras marcas brasileiras de produtos para cabelos  tiveram dificuldades para a adaptação da estratégia de marketing da empresa ao mercado internacional, a Natura, com seus produtos produzidos a partir de ingredientes tipicamente nacionais,  teve dificuldade na adequação e aceitação das demandas do mercado internacional. Internalizou-se com sucesso só quando adaptou suas estratégias às demandas específicas.                                                                           

     Como exemplificação disso, a própria Natura, que encontrou dificuldades em sua internacionalização no Chile, por ser uma das pioneiras na exportação de um produto de essência brasileira, porém quando estabelecida, alcançou um grande sucesso, atingindo um lucro de R$860 milhões em 2008, gerando com isso um maior impulso da empresa para a internacionalização para outros países, sendo hoje a maior fabricante de cosméticos da América Latina, tendo um alto grau de competitividade no mercado brasileiro e no mundo.

     Porém, com a maior ampliação dos produtos de origem brasileira devido a sua internacionalização, a cultura do país tem se propagado pelo mundo. Isso faz com que as indústrias de cosméticos para cabelos tenham um salto em seu desenvolvimento. Seus  altos índices de crescimento no mercado internacional ampliam cada vez mais o número de empresas brasileiras de cosméticos para cabelos  internacionalizadas com sucesso.